print article
For optimal print results, please use Internet Explorer, Chrome or Safari.

Sarampo

Measles (Portuguese)

O que é o sarampo?

O sarampo, uma infecção causada por um vírus, ocorre principalmente no fim do Inverno e na Primavera. Quando alguém que é portador do vírus tosse ou espirra, as gotículas contaminadas espalham-se no ar e caem sobre as áreas em redor. A criança pode apanhar o vírus ao inalar tais gotículas ou ao tocar nelas e, depois, tocar na sua própria face, boca, olhos ou ouvidos.

Sinais e sintomas do sarampo

Erupção do sarampo
Torso de uma criança com a erupção do sarampoTorso de uma criança com a erupção do sarampo
A erupção do sarampo começa na face e espalha-se pelo corpo até aos pés.
Geralmente, os sintomas do sarampo começam com febre que permanece por alguns dias. Depois da febre, surgem frequentemente a tosse, a secreção nasal e a conjuntivite, uma infecção da vista. Na face e na parte superior do pescoço, começa a surgir uma erupção cutânea que alastra pelo resto do corpo e para os braços, mãos, pernas e pés. Cinco dias depois, a erupção extingue-se da mesma forma como surgiu.

O sarampo transmite-se facilmente às outras crianças

O sarampo é uma doença muito contagiosa, o que significa que se transmite muito facilmente de um indivíduo para outro. Normalmente, a fase de contágio dos indivíduos com sarampo situa-se entre os quatro dias que antecedem o início da erupção cutânea até quatro dias depois do seu desaparecimento. Muitas vezes, as crianças que têm problemas do sistema imunitário transmitem a doença durante muito mais tempo. O vírus do sarampo habita no muco do nariz e da garganta dos indivíduos infectados que, ao tossirem ou espirrarem, libertam gotículas para o ar. Ao caírem sobre as áreas em redor, as gotículas transmitem o vírus durante o máximo de duas horas.

Factores de risco

Grande plano da erupção do sarampo
Grande plano da erupção do sarampoGrande plano da erupção do sarampo
A erupção do sarampo caracteriza-se por vermelhidão e manchas
Existem mais probabilidades de a criança vir a ter sarampo se ela:

  • não foi vacinada contra o sarampo
  • viajar para outros países sem ser vacinada
  • tiver deficiência em vitamina C

Complicações

As complicações são perigosas. Algumas crianças infectadas pelo sarampo também ficarão com infecção auditiva, diarreia ou até pneumonia. Embora raramente, algumas crianças que contraíram o sarampo também poderão sofrer de dilatação cerebral ou encefalite. Os casos graves de encefalite podem conduzir a lesões cerebrais ou à morte, caso que é muito raro. A maioria das crianças que contrai o sarampo não foi vacinada ou chega ao Canadá de outros países.

O que os médicos podem fazer em relação ao sarampo

O sarampo é diagnosticado mediante um exame físico à criança. O médico poderá também requisitar uma análise ao sangue ou a extracção de uma amostra de exsudado retirado do nariz ou da garganta. Se achar que a criança tem sarampo, é importante falar primeiro com o médico antes de comparecer no consultório, a fim de evitar que a infecção seja transmitida a outras pessoas.

Cuidar da criança em casa

Não há tratamento específico para o sarampo. Os pais poderão apoiar a criança tentando confortá-la.

Controlo da febre

Poderá utilizar o acetaminofeno (Tylenol ou Tempra) ou o ibuprofeno (Motrin ou Advil) para tratar a febre. NÃO dê ASA (ácido acetilsalicílico ou Aspirina) à criança.

Repouso na cama e isolamento da criança

A criança só poderá ir para a escola ou para o infantário oito dias depois da erupção ter começado. A Repartição de Saúde Pública será avisada quanto ao diagnóstico do sarampo e fará o acompanhamento da situação com os pais.

Líquidos

Dê água e outros líquidos à criança com frequência.

Quando deverá obter assistência médica

Contacte o médico habitual da criança se:

  • a febre não baixar quatro dias depois da erupção ter começado
  • a tosse se agravar
  • a criança ficar com dores de ouvidos

Leve a criança ao serviço de emergência mais próximo ou, se for necessário, ligue 911, se ela:

  • começar a ter dificuldade respiratória ou respiração ruidosa com persistência
  • aparentar ter alguma alteração no comportamento ou na aptidão física, ou tiver problemas locomotores ou ataques epilépticos
  • tiver alguma dor de cabeça intensa ou vómitos persistentes
  • parecer estar muito incomodada

Evitar o sarampo

Em muitos países, a vacina contra o sarampo é grátis. Às crianças administram-se duas doses da vacina: a primeira é, geralmente, tomada após o primeiro ano de vida, enquanto que a segunda é tomada antes do ingresso da criança na escola.

A vacina contra o sarampo faz parte do grupo de vacinas contra o sarampo-papeira-rubéola. Se você ou a criança ainda não estiverem imunizados, procure informar-se junto do médico sobre aquele tipo de vacina.

A criança deverá ser vacinada com duas doses da vacina contra o sarampo-papeira-rubéola. Há dois calendários possíveis:

  • 12 e 18 meses, OU
  • 15 meses e dos 4 aos 6 anos

Na maioria dos casos, a vacinação protege a criança do sarampo e reduz as ocorrências da exposição à doença no seio da população. A vacinação também evita complicações resultantes do sarampo, designadamente pneumonia grave, infecções pulmonares e encefalite.

Algumas crianças contraem uma erupção cutânea resultante da vacina

Após a administração da vacina contra o sarampo, algumas crianças apresentam ligeiros sintomas da doença, situação que é normal. Se tal acontecer, surge normalmente uma erupção cor-de-rosa no período de 7 a 10 dias após a vacina e que permanece durante cerca de três dias. Durante esse período, pode também surgir uma febre ligeira e uma pequena dor articular. Se tiver quaisquer tipos de preocupações, contacte o médico.

A vacinação é importante

A vacinação nos países desenvolvidos tem ajudado a reduzir os casos de sarampo para níveis muito baixos. Todavia, a doença continua a ocorrer com muita frequência noutras partes do mundo. As pessoas que visitaram países em desenvolvimento e os viajantes do mundo ocidental que regressam de outros países podem, sem o saber, ser portadores da doença.

Por tal motivo, os pais, a criança e o resto da família deverão ser vacinados contra o sarampo. Os indivíduos que não estiverem protegidos através da vacina poderão transmitir a doença rapidamente.

Se a criança estiver com sarampo no hospital

A criança ficará alojada num quarto individual para evitar que o sarampo contagie outras pessoas. Ela só poderá frequentar a sala de brincadeiras quando o sarampo já tiver passado. O período de isolamento poderá demorar, no mínimo, quatro dias após o início do sarampo. Se a criança tiver algum problema no sistema imunitário, poderá ser necessário ter de permanecer no quarto até todos os sintomas terem desaparecido.

Peça à especialista de serviços educativos para levar alguns brinquedos e materiais ao quarto da criança. As pessoas que nunca tiveram sarampo ou que ainda não foram vacinadas contra a doença não deverão visitar a criança. Se você ou alguém que tenha visitado a criança vier a adoecer com sintomas de sarampo, informe imediatamente o médico ou a enfermeira da criança.

O sarampo é uma doença rara nos países desenvolvidos

O sarampo não é uma doença muito frequente em países como o Canadá em virtude do índice de vacinação ser elevado. Todavia, calcula-se que, em todo o mundo, cerca de 43 milhões de pessoas fiquem anualmente infectadas pelo sarampo, em que mais de um milhão morre desta doença.

Pontos principais

  • O sarampo é uma infecção causada por um vírus, para a qual não existe tratamento específico.
  • Geralmente, o sarampo causa febre, tosse, conjuntivite e erupção cutânea.
  • Deverão tomar-se precauções para que outras pessoas não contraiam a infecção pelo sarampo. Visto que esta doença é muito contagiosa, é obrigatório manter a criança isolada.
  • A hospitalização é necessária somente em casos muito raros para tratamento do sarampo.
  • O sarampo pode ser evitado através da vacinação.
  • NÃO dê à criança medicamentos com ASA (ácido acetilsalicílico ou Aspirina).

William Mounstephen, MD, FRCPC, FAAP (PEM)

Janine A. Flanagan, HBArtsSc, MD, FRCPC

Anne Matlow, MD, FRCPC

Laurie Streitenberger, RN, BSc, CIC

 

5/7/2010




Notes: